sábado, março 15, 2014

NARITA #377


Esta semana, as linhas aéreas que vos ligam directamente ao Japão foram contactadas para efectuar um transporte muito especial. Em vez de passageiros humanos, tivemos penas, barbatanas e muitas patas à mistura. Entregues à bicharada, descolámos para um voo zoológico.

Partida do terminal 107.9. Aeroporto Internacional de Tóquio: Narita!

Dōbutsu é o termo geral para nomear os animais em japonês. Começámos a nossa viagem pela herpetofauna nipónica, bastante rica e diversa. Os anfíbios e répteis estiveram representados por “Frogs”, na descolagem a cargo de Daisaku Yoshino.

01. Daisaku Yoshino – Frogs
02. Sleep Warp – Seize The Scorpio

Sasori é um bicho que impõe respeito a muitos, que em português chamamos de escorpião. Os Sleep Warp convidaram-nos a capturarmos este invertebrado, uma tarefa que pode revelar-se mais complicada do que parece. Mais fácil, ou se calhar nem tanto, será apanhar borboletas. Estes insectos, da ordem Lepidoptera, são motivo de inspiração para muitos pela sua beleza e no Japão o seu encanto não escapa aos olhos quer dos entomólogos quer dos artistas. Com mais de 300 espécies conhecidas no arquipélago, seria difícil não encontrarmos uma nesta viagem. A “Butterfly” desta semana foi capturada pelas delicadas redes das Kokohana.

03. Kokohana – Butterfly
04. Table Music Meeting – Cabbage Butterfly
05. Mono – A Thousand Paper Cranes

Um dos animais com mais simbolismo para os japoneses é a garça que, não por acaso, é o animal que a maioria dos orientais e ocidentais associa ao origami, com os muito conhecidos e repetidamente dobrados tusrus. A verdade é que as garças ou cisnes de papel são símbolo de sorte, havendo lendas que falam de recompensas para quem construir mil destes pequenos animais em origami. Curiosamente, a tarefa de construir esta quantidade de cisnes em origami foi utilizada pela agência espacial japonesa como teste para os candidatos a astronauta, já que acaba por reflectir tanto a paciência como a destreza dos mesmos. Noutros voos, podemos ver garças um pouco por todo o céu do Japão, sejam as várias espécies existentes no país ou as que podemos ver pintadas nos aviões da Japan Airlines, que escolheu a garça de coroa vermelha, ou Tanchōdzuru em japonês, para seu símbolo. Os Mono trouxeram-nos mil cisnes de papel para a cabine e nós agradecemos a oferta, esperando que possa significar longa vida à tripulação de Narita.
Continuámos a olhar para o batimento de asas e prosseguimos viagem com mais aves, anilhadas por The Potone!.

06. The Potone! – Go Run Bird
07. Apartment – Sleeping Bird

Da longa lista de mais de 600 espécies de aves registadas nas ilhas, conseguimos detectar cerca de duas dezenas que só existem no Japão. Águias, tordos, garças, corujas, faisões, pica-paus, gaios ou pombos, muitos deles em risco de extinção, são visões raras mas possíveis se estiverem atentos aos céus nipónicos e se, acima de tudo, respeitarem o seu habitat. A pensar exactamente nisto, a BirdLife International, organização ambiental que visa conservar e proteger a biodiversidade de aves e os seus habitats, criou 3 áreas endémicas de aves no Japão, nas ilhas de Izu, Ogasawara e Ryukyu. Sobrevoámos com especial cuidado estas regiões, de modo a não perturbar as condições ambientais tão fulcrais para a conservação destas aves-raras japonesas, enquanto conhecemos melhor as aves que tínhamos a bordo, trazidas pelos Elekibass.

08. Elekibass – Birdy
09. 54 Nude Honeys – Surf Cat

Entrámos na secção de mamíferos e, mais concretamente, dos felinos. Também aqui encontramos bichos extremamente raros, como o gato de Iriomote, uma subespécie de leopardo que vive exclusivamente naquela ilha do Japão, no mais pequeno habitat conhecido para um gato selvagem, cuja área não ultrapassa os 290km2. Também raro e muito ameaçado é o gato de Tshushima, ou Tsushima Yamaneko, alvo de um programa governamental de protecção desde 1995. Para este gato selvagem existem, inclusivamente, sinais de trânsito especiais que alertam os condutores para que tenham maior precaução quando viajam em áreas onde este animal pode ser visto. No entanto, e apesar dos muitos gatos selvagens com que nos podemos cruzar no Japão, um que apenas poderemos ver em jardins zoológicos é o leão. Mesmo que este felino só exista naturalmente em África, não deixa de tentar morder os passageiros de Narita. Claro que foi apenas uma mordida musical, com os dentes afiados dos Determinations.

10. Determinations – Lion Bite
11. Apartment – Winter Wolf

Nesta viagem zoológica de Narita nem tudo são histórias com final feliz no que toca a conservação de espécies. As duas espécies conhecidas de lobos no Japão, o de Ezo (ou Hokkaido) e o de Honshu, extinguiram-se no início do século XX, apesar de ainda hoje haver quem reclame avistar lobos pelas ilhas. Epidemias levaram a que estes mamíferos desaparecessem da fauna natural o que, por outro lado, permitiu a expansão das populações das suas presas, como os veados que, hoje em dia, atingiram uma dimensão estável no Japão, podendo até ser avistados em áreas urbanas.
O azar de uns é a sorte de outros, lembrando-nos que, na Natureza, tudo está interligado. Poderia ser esta a mensagem desta viagem zoológica de Narita.

Voltamos a embarcar no próximo Sábado, com o portão de embarque a abrir às 21h. Até lá, nós por cá e por lá, no Japão, despedimo-nos, esperando que a viagem desta semana não vos tenha causado alergias mas tenha sido do vosso agrado.

12. Guitar Wolf – Planet Of The Wolves
13. Shoulder Hopper - '67 Beetle

NARITA #377 by Ogata Tetsuo on Mixcloud



Sem comentários: