sábado, março 29, 2014

NARITA #379

Todas as semanas, a tripulação de Narita levanta voo em direcção ao Japão, com comitivas de excelência a bordo. Esta semana quisemos contar-vos um pouco sobre uma das companhias com quem nos cruzamos nos céus do Japão e não só: a Japan Airlines.

Partida do terminal 107.9. Aeroporto Internacional de Tóquio: Narita!



01. Judy and Mary - Sobakasu

Fundada em 1951, a Japan Airlines é actualmente a maior companhia aérea da Ásia, mas começou por fazer rotas domésticas. Inicialmente, a frota da companhia consistia em poucos aviões arrendados, o que mudou quando, em Setembro de 1952, o primeiro Douglas DC-4 chegou ao aeroporto internacional de Tóquio, com o nome de baptismo de Takachiho. Recordando os primeiros anos de aviação, levantámos voo com passageiros cuja primeira letra do nome coincide com o código da companhia, como é o caso de Judy and Mary e de Janne Da Arc.

02. Janne Da Arc - Furimukeba...
03. Jazztronic – Things We Like

A actual frota da Japan Airlines conta com mais de 200 aeronaves, entre Airbus, Boeing, Embraer e McDonnel Douglas, estes últimos essencialmente usados nas rotas domésticas. Se o logotipo da companhia, o tsurumaru ou cisne dentro de um círculo, sofreu pequenas alterações ao longo do tempo, já alguns doa aviões conheceram autênticas transformações na sua pintura, sendo bastantes os casos de decoração especial para promover programas de televisão, bandas ou causas mais nobres como o turismo no Japão. Sempre presente, no entanto, é a inscrição que representa uma das preocupações da Japan Arilines: a companhia apoia a UNICEF e todos os seus aviões o constatam. Entre as muitas decorações exóticas, existe uma linha em particular que merece destaque, a da JALways, a operadora de voos charter que decorou os aviões que viajam essencialmente para resorts no Hawaii, Oceania e Sudeste Asiático com motivos tropicais e a inscrição Reso’cha, uma aglutinação de Resort Charters. Entrámos numa destas aeronaves e passámos ao A, já que os passageiros seguintes eram nem mais, nem menos, que A Hundred Birds.

04. A Hundred Birds - In The Sky (feat. Ten)

No começo da vida da Japan Airlines, as principais rotas de operação eram domésticas, com voos diários de ida e volta entre Tóquio e Sapporo, Tóquio e Fukuoka (com passagem por Osaka) e Tóquio e Osaka, esta última a ligação mais frequente com 3 viagens diárias. Actualmente, há um total de 59 destinos no Japão para onde podem voar nesta companhia, com rotas dentro e entre ilhas que permitem aos passageiros chegar a praticamente todos os cantos do arquipélago. Já nas rotas internacionais, as opções também são diversas. Para que possam ficar com uma pequena ideia, de Narita a Japan Airlines voa directamente para mais de 30 destinos, entre o continente europeu, americano e, claro, os vizinhos países da Ásia e Oceania.
Não foi, no entanto, preciso voar entre destinos para juntar as passageiras que se seguiram. De cidades bem próximas chegaram Ami Suzuki e as Buffalo Daughters, a fazer jus ao A, letra intermédia do código da Japan Airlines.

05. Ami Suzuki with Buffalo Daughter - God Luna
06. Advantage Lucy - Oolt Cloud
07. Apnea – Night Landing

Se já referimos que existem aviões da Japan Airlines com decoração alusiva a programas de TV, o reverso também é verdade e é habitual ver a companhia como cenário em séries televisivas. Quase sempre são dramas em torno da vida das hospedeiras, sendo as mais famosas a série Attention Please, criada nos anos 70 e retomada em 2006 e a muito popular Stewardess Monogatari dos anos 80. Já que falamos de entretenimento, aproveitámos para experimentar o MAGIC, o sistema audiovisual a bordo que permite usufruir dos mais recentes filmes e vídeos, jogos e programas áudio. Procurámos no menu e encontrámos a última letra do código da Japan Ailines, o L de Les Cappucino.

08. Les Cappuccino - Move Move Move
09. Lillies and Remains - Human Intellect

Para além do apoio à UNICEF, a Japan Airlines também tem tido um papel importante no apoio interno. Um dos mais recentes projectos de cooperação e solidariedade está relacionado com o grande terramoto que em 2011 atingiu a costa de Tōhoku. Imediatamente após a catástrofe, a companhia colocou à disposição as suas aeronaves para transporte de passageiros mas também de carga, essencial para ajudar os sobreviventes. No entanto, a ajuda não se esgotou neste auxílio imediato, tendo sido colocados em acção no terreno vários projectos para ajudar à recuperação da área devastada, como o projecto do algodão. Sendo uma planta resistente à salinidade, que actualmente limita o uso do solo na área afectada pelo tsunami, o seu cultivo e aproveitamento tem sido apoiado e incentivado, numa tentativa de ajudar a economia local, retomando a agricultura e o emprego na região.
A ajuda foi o mote para o final da nossa viagem. A hora de chegada foi a prevista, já que estávamos a bordo de uma aeronave da companhia mais pontual do mundo. Voltamos a voar na próxima semana, Sábado, depois das 21h. Até lá, nós por cá, e por lá, no Japão, despedimo-nos, esperando que a viagem desta semana tenha sido do vosso agrado.
Para o final de viagem e consequente aterragem, a prometida ajuda: Help, a cargo de Love Psychedelico, que fecham o código da Japan Airlines – JAL.

10. Love Psychedelico - Help!
11. Lullatone - Tiny Glaciers

NARITA #379 by Ogata Tetsuo on Mixcloud

domingo, março 23, 2014

NARITA #378

Um vôo onde os convidados são "sósias" musicais de artistas ocidentais. Uma hora a sobrevoar as novas trajectórias de alguns clássicos da música do Velho Continente e das Américas.

Partida do terminal 107.9. Aeroporto Internacional de Tóquio: Narita!

01. Haruomi Hosono - Close to you
02. The Emigrants - Dancing Queen
03. Salt Lake - Ceremony
04. Shione Yukawa - No Surprises
05. Yoshihiro Asako (Bon Voyage) - Smell Like Teen Spirit
06. Jumbo - Boy from Ipanema
07. Cubismo Gráfico - Ave Maria
08. Baguette Bardot - Comic Strip
09. Fumie Hosokawa - Poupee de Cire Poupee de Son
10. Mansfield - Take On Me
11. Yasuharu Konishi - I Want You Back



12. Shione Yukawa - Don't Look in Anger

sábado, março 15, 2014

NARITA #377


Esta semana, as linhas aéreas que vos ligam directamente ao Japão foram contactadas para efectuar um transporte muito especial. Em vez de passageiros humanos, tivemos penas, barbatanas e muitas patas à mistura. Entregues à bicharada, descolámos para um voo zoológico.

Partida do terminal 107.9. Aeroporto Internacional de Tóquio: Narita!

Dōbutsu é o termo geral para nomear os animais em japonês. Começámos a nossa viagem pela herpetofauna nipónica, bastante rica e diversa. Os anfíbios e répteis estiveram representados por “Frogs”, na descolagem a cargo de Daisaku Yoshino.

01. Daisaku Yoshino – Frogs
02. Sleep Warp – Seize The Scorpio

Sasori é um bicho que impõe respeito a muitos, que em português chamamos de escorpião. Os Sleep Warp convidaram-nos a capturarmos este invertebrado, uma tarefa que pode revelar-se mais complicada do que parece. Mais fácil, ou se calhar nem tanto, será apanhar borboletas. Estes insectos, da ordem Lepidoptera, são motivo de inspiração para muitos pela sua beleza e no Japão o seu encanto não escapa aos olhos quer dos entomólogos quer dos artistas. Com mais de 300 espécies conhecidas no arquipélago, seria difícil não encontrarmos uma nesta viagem. A “Butterfly” desta semana foi capturada pelas delicadas redes das Kokohana.

03. Kokohana – Butterfly
04. Table Music Meeting – Cabbage Butterfly
05. Mono – A Thousand Paper Cranes

Um dos animais com mais simbolismo para os japoneses é a garça que, não por acaso, é o animal que a maioria dos orientais e ocidentais associa ao origami, com os muito conhecidos e repetidamente dobrados tusrus. A verdade é que as garças ou cisnes de papel são símbolo de sorte, havendo lendas que falam de recompensas para quem construir mil destes pequenos animais em origami. Curiosamente, a tarefa de construir esta quantidade de cisnes em origami foi utilizada pela agência espacial japonesa como teste para os candidatos a astronauta, já que acaba por reflectir tanto a paciência como a destreza dos mesmos. Noutros voos, podemos ver garças um pouco por todo o céu do Japão, sejam as várias espécies existentes no país ou as que podemos ver pintadas nos aviões da Japan Airlines, que escolheu a garça de coroa vermelha, ou Tanchōdzuru em japonês, para seu símbolo. Os Mono trouxeram-nos mil cisnes de papel para a cabine e nós agradecemos a oferta, esperando que possa significar longa vida à tripulação de Narita.
Continuámos a olhar para o batimento de asas e prosseguimos viagem com mais aves, anilhadas por The Potone!.

06. The Potone! – Go Run Bird
07. Apartment – Sleeping Bird

Da longa lista de mais de 600 espécies de aves registadas nas ilhas, conseguimos detectar cerca de duas dezenas que só existem no Japão. Águias, tordos, garças, corujas, faisões, pica-paus, gaios ou pombos, muitos deles em risco de extinção, são visões raras mas possíveis se estiverem atentos aos céus nipónicos e se, acima de tudo, respeitarem o seu habitat. A pensar exactamente nisto, a BirdLife International, organização ambiental que visa conservar e proteger a biodiversidade de aves e os seus habitats, criou 3 áreas endémicas de aves no Japão, nas ilhas de Izu, Ogasawara e Ryukyu. Sobrevoámos com especial cuidado estas regiões, de modo a não perturbar as condições ambientais tão fulcrais para a conservação destas aves-raras japonesas, enquanto conhecemos melhor as aves que tínhamos a bordo, trazidas pelos Elekibass.

08. Elekibass – Birdy
09. 54 Nude Honeys – Surf Cat

Entrámos na secção de mamíferos e, mais concretamente, dos felinos. Também aqui encontramos bichos extremamente raros, como o gato de Iriomote, uma subespécie de leopardo que vive exclusivamente naquela ilha do Japão, no mais pequeno habitat conhecido para um gato selvagem, cuja área não ultrapassa os 290km2. Também raro e muito ameaçado é o gato de Tshushima, ou Tsushima Yamaneko, alvo de um programa governamental de protecção desde 1995. Para este gato selvagem existem, inclusivamente, sinais de trânsito especiais que alertam os condutores para que tenham maior precaução quando viajam em áreas onde este animal pode ser visto. No entanto, e apesar dos muitos gatos selvagens com que nos podemos cruzar no Japão, um que apenas poderemos ver em jardins zoológicos é o leão. Mesmo que este felino só exista naturalmente em África, não deixa de tentar morder os passageiros de Narita. Claro que foi apenas uma mordida musical, com os dentes afiados dos Determinations.

10. Determinations – Lion Bite
11. Apartment – Winter Wolf

Nesta viagem zoológica de Narita nem tudo são histórias com final feliz no que toca a conservação de espécies. As duas espécies conhecidas de lobos no Japão, o de Ezo (ou Hokkaido) e o de Honshu, extinguiram-se no início do século XX, apesar de ainda hoje haver quem reclame avistar lobos pelas ilhas. Epidemias levaram a que estes mamíferos desaparecessem da fauna natural o que, por outro lado, permitiu a expansão das populações das suas presas, como os veados que, hoje em dia, atingiram uma dimensão estável no Japão, podendo até ser avistados em áreas urbanas.
O azar de uns é a sorte de outros, lembrando-nos que, na Natureza, tudo está interligado. Poderia ser esta a mensagem desta viagem zoológica de Narita.

Voltamos a embarcar no próximo Sábado, com o portão de embarque a abrir às 21h. Até lá, nós por cá e por lá, no Japão, despedimo-nos, esperando que a viagem desta semana não vos tenha causado alergias mas tenha sido do vosso agrado.

12. Guitar Wolf – Planet Of The Wolves
13. Shoulder Hopper - '67 Beetle

NARITA #377 by Ogata Tetsuo on Mixcloud



sábado, março 08, 2014

NARITA #376

Internacionalmente celebrou-se o dia da mulher e, por isso mesmo, a tripulação de Narita decidiu prestar um tributo às mulheres nipónicas convidando uma lista de excelsas representantes da música que se faz por terras do Sol Nascente no feminino.

Partida do Terminal 107.9. Aeroporto Internacional de Tóquio: Narita!

O papel da mulher no Japão sempre foi bastante submisso e orientado para a vida familiar. Tal como em muitos outros pontos do globo, no entanto, este papel tem vindo a mudar e as mulheres têm vindo a emancipar-se, adoptando papéis mais decisores na sociedade. Esta semana embarcámos apenas passageiras e a primeira escolheu o lugar da janela na descolagem. Dos subúrbios de Tóquio chegou Anna Yamada com boas premonições sobre este passeio.

01. Anna Yamada – 予感
02. Misia - Everything
03. YeYe – Uminami

Às mulheres japonesas foi dado o direito de voto em 1946, tendo o século XX sido um ponto de viragem para muitas das barreiras que impediam as mulheres de competir ou singrar como os homens japoneses. Acesso à educação e a condições iguais às do género masculino têm sido lutas com alguns frutos, mas ainda persiste na sociedade japonesa a tendência histórica da mulher se dedicar aos filhos - e não à sua profissão - enquanto as crianças crescem. Apesar de tudo, muito mudou nas últimas décadas e a prová-lo estão as passageiras de hoje. YeYe, vinda de Kyoto, tem uma carreira estabelecida desde 2010, sendo independente ao ponto de tocar tudo o que ouvimos em Uminam.

Antes dela, uma presença habitual nestas viagens que quase dispensa apresentações. Misia é uma das maiores e mais queridas estrelas femininas do Japão e para isso muito contribui a sua incrível voz, mas também a sua personalidade voltada para as causas humanitárias e ambientais. No embarque de Misia pudemos ouvir Everything, tema que sobressaía no seu disco "Marvelous", de 2001.

Yuki Kawana, teclista da banda de pop-rock alternativo Yucca, encontrou em 2008 o seu espaço a solo na música. Inspirada por muitos ícones musicais do pós-rock, é neste género que se sente mais à vontade e é aí que encontra a sua força. I Became Strong foi o seu bilhete para esta viagem, uma expressão que bem poderia servir de mote para muitas mulheres no Japão do século XXI.

04. Yuki Kawana – I Became Strong
05. Laranja – The Moon: Chord No. 79

Poderíamos estar a cruzar os céus da América do Sul, mas a verdade é que a responsável pelos minutos de agitação tropical que experimentámos nesta viagem vive na insuspeita cidade de Sagamihara, na província de Kanagawa. A música brasileira, mais concretamente a bossanova ou a MPB são, de facto, as grandes inspirações de Yoko Yamazaki, mais conhecida no mundo musical como Laranja.
Ainda com um travo de bossanova, mas temperado com um pouco mais de jazz e um je ne sais quois de França, prosseguimos viagem com outra mulher cheia de talentos – Kaori divide a sua vida entre a ilustração, o design e a música, onde a conhecemos como Dahlia. Eta Carinae leva-nos ao espaço, às estrelas e nebulosas.

06. Dahlia – Eta Carinae
07. MiChi – We Will Rock You

Em trânsito quase permanente entre o Reino Unido e o Japão, talvez pelo pai britânico e mãe japonesa, Michiko Sellars aproveitou a boleia para connosco fazer a travessia, misturando uma banda britânica com as produções de música de dança japonesas. MiChi é o seu nome de palco e agitou a cabine com a sua versão para We Will Rock You.

Continuámos na senda dos talentos japoneses no feminino, ainda a tempo de entrar na pista de dança. Foi por lá que encontrámos Ayaka Ikio, que, quando não está a trabalhar como modelo, deslumbra musicalmente na cena electro-pop do Japão. Spiral Storage poderia causar um turbilhão na viagem, mas a equipa de Narita verificou todas as medidas de segurança, pelo que foi possível aproveitar para alongar os músculos antes da aterragem.

08. Ayaka Ikio – Spiral Storage
09. SAWA – Discovery

Passos de dança e coreografias bem treinadas – foi Sawa Kouchi quem nos deu o ritmo que nos fez praticamente chegar ao destino. Para o final da viagem feminina, deixámos uma funky girl, Shiho Fujisawa que nos levou até ao destino com LUV&MSC.
Voltamos a embarcar no próximo Sábado, com o portão de embarque a abrir às 21h. Até lá, nós por cá e por lá, no Japão, despedimo-nos, esperando que a viagem de hoje tenha sido do vosso agrado e contando voltar a ver-vos em breve.

10. Shiho Fujisawa – LUV&MSC

NARITA #376 by Ogata Tetsuo on Mixcloud

sábado, março 01, 2014

NARITA #375

Em dia de aniversário da Rádio Universidade de Coimbra, a tripulação de Narita distribuiu prendas pelos passageiros. No ar durante a viagem desta semana trouxemos novidades em edições nipónicas, como habitualmente, sem acrescento no preço do bilhete, num voo no mundo das netlabels e edições digitais.

Partida do terminal 107.9. Aeroporto Internacional de Tóquio: Narita!

Perdido no seu quarto em Fukuoka, American Green foi encontrado pela Lost Children, uma netlabel que clama que a arte, como o conhecimento, deveria ser gratuita para todos. “The White Mists Became A Bright Light” invoca a emoção, amor, esperança e sensação de flutuar que enchem o quarto em Fukuoka, onde os sintetizadores geram álbuns desde 2007. The Dinosaurs Celebrate You abre este novo trabalho de American Green e deu o mote para a celebração dos 28 anos da RUC, também no Japão.

01. American Green – The Dinosaurs Celebrate You
02. American Green - The Clock Tower And The Stars
03. Morimoto Naoki – A Wonder

A Totokoko existe desde o início de 2010 e tem aproveitado o seu lugar no ciberespaço para distribuir arte nas suas mais variadas formas, desde as artes gráficas e fotografia à música. Aproveitámos para conhecer dois passageiros cujo bilhete tinha o carimbo da Totokoko. O primeiro, Morimoto Naoki, chega-nos da Disney de Tóquio, a cidade piscatória de Urayasu e é responsável pela mais recente edição da netlabel, um EP de três faixas intitulado “Wonder”, onde se incluem A Wonder e Raintronica.

04. Morimoto Naoki – Raintronica
05. Hico – Banjo & Contrabass

Músicas para a vida quotidiana, para levar no leitor portátil de música – é assim que Hico apresenta “Modus”, o mini-álbum que preparou para a Totokoko. Hico resume a sua carreira profissional em três vertentes: compositor, multi-instrumentalista, criador de faixas. Das cinco que compõem a quadragésima terceira edição da Totokoko, escolhemos duas músicas que ilustram toda a produção deste talento de Osaka.

06. Hico – Organ & Ensemble
07. Kazuki Uchida – Luq

Em Osaka encontramos também Kazuki Uchida, alguém para quem a fotografia e a música são o verdadeiro sentido da vida. ”A Trip And Tea” é o literal nome que atribuiu ao seu último EP, três músicas para ouvir enquanto se degusta um chá ao serão. Tempo então para a equipa de bordo servir alguns refrescos, no momento em que atravessámos a metade da viagem.

08. Kazuki Uchida – Ape
09. Ykymr – Swimming The Swimming Pool Of Fog

No porão encontrámos uma edição fresquíssima da Mimi Records. A netlabel portuguesa deu espaço a Ykymr para que, três meses depois do lançamento de “Autumn Leaves”, tivesse nova edição. “We were Seeing The Sea Beyond The Fog” é o nome deste álbum de composições hipnóticas, incluindo a que nos acompanhou: Swimming The Swimming Pool Of Fog. Dissipado o nevoeiro, mas ainda debaixo da chuva que tem acompanhado o Inverno, encontrámos os últimos passageiros. Eram dois, mas voaram em conjunto sob o nome de Parasol, vindos directamente da cidade-irmã de Aveiro, Oita. “I Close My Eyes To See You Again” é o primeiro disco do duo e foi também a banda sonora para a aterragem do voo. Nova descolagem está já autorizada, no próximo Sábado, às 21h. Até lá, nós por cá e por lá, no Japão, despedimo-nos, esperando que o percurso desta semana tenha sido agradável e esperando encontrar-vos de novo a bordo em breve.

10. PARASOL – Summer Rain
11. PARASOL - Waiting

NARITA #375 by Ogata Tetsuo on Mixcloud


Omedetō gozaimasu RUC!